sábado, 28 de dezembro de 2013

FESTIVAL DO VINHO DE BUDAPESTE

Viajar significa, também, "mergulhar" nos eventos da localidade visitada.
Assim foi em Budapeste.
No mês de Setembro é promovido o festival do vinho (em húngaro Borfesztival) que é um evento extremamente interessante, especialmente para nós portugueses que somos especialistas no tema... mas além do vinho, há outras questões associadas ao festival, tal como gastronomia típica, artesanato e foclore.
O evento decorre no castelo de Buda, com uma das panorâmicas mais bonitas da cidade.
Se é barato?? Não, especialmente nos parâmetros húngaros, ainda mais pobres que os nossos. Se a memória não me falha creio que a entrada custou mais de 12€ por pessoa (valor em florins não consigo precisar), sendo que estavam incluídas as entradas para a Galeria Nacional (Magyar Nemzeti Galéria) e para o Museu de História de Budapeste (Budapesti Történeti Múzeum)
que ficam precisamente dentro do recinto do festival, copo de vinho e bolsa de suporte para o mesmo. Todo o vinho e gastronomia a consumir é pago à parte, sendo que tem de se comprar talões para trocar pelas provas/consumos.
Provámos vinhos deliciosos (húngaros e estrangeiros), sendo que de Portugal só encontrámos representação do vinho Gazela, o que é pena pois temos uma variedade bem maior e mais interessante para mostrar. A última prova foi de um vinho de morango, experiência inédita para mim até ao momento.
Foi uma tarde diferente e muito interessante. Uma experiência única e a não esquecer na capital europeia que até ao momento lidera o meu top de preferências.












sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

JÓIA (QUASE) DESCONHECIDA

Praga é uma cidade cheia de tesouros, uma boa parte deles visíveis aos olhos de todos os que a atravessam.
Contudo, já fora do centro da cidade, existem autênticas jóias desconhecidas pela maior parte dos turistas que se concentram em atrações mais centrais. Uma dessas jóias é Palácio de Tróia, ou em checo Trojský Zamek, também conhecido pela Versalhes de Praga. 
Este palácio foi mandado construir pelo conde Wenceslas Sternberg, que abriu uma faixa nos campos de caça reais, para construir um palácio de verão. A obra iniciou-se em 1679. Inicialmente a construção era de inspiração italiana, à semelhança do seu primeiro arquiteto. Com a morte deste, o projeto ficou à responsabilidade de Jean-Baptiste Mathey que deu à construção um toque de inspiração francesa. 
Existem vários pontos a destacar na arquitetura deste espaço, tais como um jardim francês formal que conduz à escadaria com estátuas mitológicas. A meu ver, as grandes mais-valias do palácio são sem dúvida as pinturas checas do século XIX na maioria das salas, de vários temas, que deixam deslumbrado qualquer visitante. A atração principal no interior é o grande salão, cujas pinturas são da autoria do flamengo Abraham Godyn. É, ainda, possível observar acima da porta principal algumas referências aos brasões das famílias reais europeias, inclusivé a portuguesa.
Para chegar de transportes públicos a este local é simples. Metro até Nádraží Holešovice e dessa estação apanha-se o autocarro 112 que se dirige ao Zoo. O Palácio fica precisamente em frente.