quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Sinagogas da Europa

Não sei exatamente porquê, mas sou uma fascinada pela história e, consequentemente, pela monumentalidade que o judaísmo nos apresenta. Por esse motivo sempre que há uma oportunidade de conhecer um bairro judaico ou uma sinagoga em viagem, eu estou lá!
Este artigo é dedicado a alguns dos belíssimos exemplos que temos da História do judaísmo na nossa Europa e que perdurarão na minha memória.

Berlim

Nova Sinagoga de Berlim
Construída no século XIX, é um exemplo de grandiosidade no coração de Berlim, mais precisamente na Oranienburger Strasse. Sofreu sérios danos no decorrer na II Guerra Mundial, contudo não foi recuperada precisamente com o objetivo de lembrar o acontecimento afim de não o repetir. O acesso ao espaço é bastante limitado e muito controlado com raio x e afins. 






Museu Judaico
Um espaço fundamental para compreender melhor o contexto dos judeus na II guerra mundial e na história de Berlim em geral. Mais uma vez muita segurança e controlo no acesso.





Budapeste

Grande Sinagoga de Budapeste
De todas,a minha sinagoga favorita. É a segunda maior a nível mundial ( a maior está em Brooklyn/Nova Iorque) e é um espaço lindíssimo e bem preservado. À semelhança da Grande Sinagoga de Berlim, foi construída no século XIX e massivamente destruída na época da II Guerra Mundial. Contudo, foi recuperada, contrariamente ao caso da sinagoga berlinense. A visita que fiz em 2012 foi acompanhada por um guia judeu com origens no Bairro de Brooklyn, em Nova Iorque, que informou com clareza os visitantes acerca de vários tópicos relacionados com o culto, os símbolos presentes e o judaísmo em geral. 









Bairro Judaico
Nos arredores da Grande sinagoga é interessante explorar o bairro a pé e ver o que ainda resta das raízes judaicas na cidade. Existe também um museu judaico ao qual se pode ter acesso através de um bilhete combinado (Sinagoga e Museu Judaico).


Amesterdão

Sinagoga Portuguesa de Amesterdão
O Judaísmo com raízes portuguesas a visitar entre os canais. Construída no século XVII e, quase inexplicavelmente, permaneceu ilesa à destruição massiva provocada no decorre da II Guerra Mundial. Diz-nos a História que devido à perseguição aos judeus em Portugal, muitos deles chegados a Portugal expulsos de Espanha por motivos religiosos no final do século XV, registou-se um século depois uma saída massiva para a Holanda bem como para outros países onde na época era possível viver o judaísmo de forma livre, Nesse âmbito nasceu a necessidade da criação deste espaço em plena utilização, que nos conta uma história de quase 5 séculos. 








Museu Judaico
Mais uma vez na proximidade da sinagoga surge o Museu Judaico a complementar informação, funcionando quase como centro de interpretação. No mesmo espaço decorrem algumas exposições temporárias. Em junho deste ano decorria uma exposição sobre a vida da falecida judia, Amy Winehouse.


Praga

Bairro Judaico (Josefov)
Antigo gueto dos judeus na cidade, o bairro reúne ainda um conjunto de seis sinagogas exemplificativas da presença da religião judaica na cidade. Existe, também, neste espaço o antigo cemitério judaico onde se verifica que o espaço era pouco para a necessidade. Neste bairro chegaram a viver aproximadamente 180 000 pessoas. É importante referir que Hitler tinha o plano maquiavélico de fazer deste bairro o museu da raça extinta com objetos deste espaço e roubados a judeus de todas as zonas sob o domínio do III Reich. O plano não se concretizou e os objetos fazem atualmente parte do recheio do museu judaico a funcionar em três das seis sinagogas do bairro. Muitos viajantes optam pelo bilhete reduzido que não inclui todos os monumentos, mas eu optei pelo bilhete completo e acho que valeu muito a pena apesar de não ser propriamente barato.


Sinagoga de Klausen/Antigo Cemitério Judaico
Construída no século XVII, alberga o Museu Judaico e dá acesso ao Antigo Cemitério Judaico que foi utilizado desde o início do século XV até ao final do século XVIII. As campas estão claramente amontoadas devido à falta de espaço para enterrar tanta gente. 




Sinagoga de Maisel
Construída no século XVI, esta sinagoga é mais um dos espaços que alberga exposições sobre a história judaica no bairro desde o século X.


Sinagoga Espanhola
A mais recente (século XIX) e, também, a mais imponente e imperiosa nos seus acabamentos, a Sinagoga Espanhola em estilo mourisco é um monumento de relevância em Josefov associado à vinda para Praga dos judeus perseguidos pela inquisição espanhola. Um autêntico must visit da cidade.







Sinagoga de Pinkas
Esta sinagoga construída no século XV retrata o horror do holocausto e homenageia as vítimas judias provenientes da Boémia e da Morávia, sendo que os seus nomes estão escritos nas paredes da nave principal e das salas adjacentes. 


Sinagoga Velha Nova
A mais antiga sinagoga da Europa ainda em funcionamento, existente desde o início do século XIII, é o ícone do judaísmo em Praga. Quando entramos dentro dela conseguimos sentir a energia de séculos e séculos de História. À semelhança do que aconteceu na Grande Sinagoga de Budapeste, a visita foi acompanhada por um guia judeu, uma pessoa com alguma idade, que nos convidou a sentar nos bancos recheados de vivências e partilhou connosco os rituais e hábitos associados ao culto e tradição judaica.  



Florença

Grande Sinagoga de Florença
Infelizmente não fiz a visita interior, que ficou prometida num regresso à cidade. Este fabuloso edifício foi construído em finais do século XIX e o seu interior reflete o estilo mourisco. A inspiração para o edifício veio da famosa e grandiosa Hagia Sofia em Istambul.