sábado, 22 de fevereiro de 2014

CAFÉ COM REQUINTE - BOSCOLO CAFÉ BUDAPEST

Ao contrário do que é típico no hábito português, não sou uma grande adepta de café. Raramente bebo e quando o faço é geralmente em casa. Não gosto de ir ao café, não aprecio regra geral o ambiente.
Contudo, em viagem há sítios onde se bebe café que são impossíveis de ignorar.
Em pesquisas sobre a cidade de Budapeste, isto durante o planeamento da viagem, encontrei um vídeo de um programa de TV brasileiro que me fez descobrir uma jóia da cidade, não muito longe do nosso alojamento. Essa jóia é o fabuloso Café do Boscolo Budapest Hotel. 

Num dia chuvoso em Budapeste, já a evidenciar a chegada de um outono algo fresquinho, houve a necessidade de alterar os planos de visita que seriam à partida em opções exteriores e procurar abrigo. Dado que saímos do hotel a pé (Easyhotel Oktogon), optámos por percorrer a Erzsébet körút, depois de findada a Teréz körút. A visita ao Café esteve sempre nos planos, mas estava inicialmente prevista para o fim da viagem, contudo optámos por antecipá-la para o segundo dia de viagem. A fachada exterior é imperiosa e revela a grandiosidade do espaço. Guardamos a capa e o chapéu de chuva e entramos. Somos educadamente recebidos por um dos funcionários que nos pergunta se vamos tomar pequeno almoço ou apenas beber café. Denunciamos a nossa intenção que é a segunda hipótese. É nos indicada uma mesa para nos sentarmos. Simpaticamente um dos garçons aborda-nos oferecendo-nos a carta. Os preços, conforme confirmação on line anterior à viagem, são elevados (mais de 4€ por um expresso), mas a experiência de estar num espaço como este torna justo qualquer preço de um simples expresso. Pedimos e somos elegantemente servidos. O expresso é servido com uma apresentação irrepreensível, acompanhado por um copo de água, um pequeno jarro de leite e duas pequenas bolachas (uma de chocolate e outra de manteiga). O sabor é excelente, mesmo para quem bebe pouco café expresso como nós, mas o que nos ofusca é o ambiente que nos rodeia. Os tetos, as colunas, as janelas, os brilhos. O requinte e o glamour deste espaço deixam-nos quase sem reação. É absolutamente impressionante saber que este estabelecimento, aberto ao público em 1894 e com a designação New York Café, viu sentada nas suas cadeiras gente das letras que criou autênticos círculos literários neste ambiente. É simples perceber porquê. Qualquer escritor sentir-se-ia inspirado num lugar como este...
Apesar do Café estar associado ao Hotel que lhe dá nome (atualmente Boscolo Café Budapest), a sua utilização é completamente independente e existe uma porta de funcionamento para quem passa na rua, não sendo necessário passar pelo hotel para usufruir do Café. Na verdade, o Café é bastante mais antigo que o próprio hotel. Como já referi anteriormente, o Café data de 1894, mas acabou por ser encerrado em 2001, data em que foram iniciadas as suas remodelações e em que se iniciou também a construção do hotel. Reabriu em 2006 para felicidade de todos os que o visitam.
Para nossa tristeza, não havia pianista de serviço. Saímos pelo hotel e aproveitámos para contemplar a beleza do seu hall, amplo, revelador de grandiosidade e requinte.
Mais uma memória de viagem fabulosa.