sexta-feira, 29 de julho de 2016

Pequenos almoços low cost em viagem

Um dos maiores desafios em viagem é respeitar orçamentos low cost e, quando me refiro a low cost não estou só a falar de voos e hotéis baratos. As refeições constituem uma importante e, frequentemente, cara parcela de viagem, começando logo pelo pequeno almoço.

Quando marcamos um hotel podemos encontrar tarifas com e sem pequeno almoço. Aqui é frequente encontrarmos viajantes a gastarem rios de dinheiro.

As escolhas pessoais cá de casa normalmente seguem a seguinte lógica: se o hotel preencher os requisitos pretendidos, incluindo o preço e a tarifa já incluir pequeno almoço, assunto arrumado. Caso contrário, o pequeno almoço no hotel fica excluído da opção. E neste caso não se poupa só dinheiro. Poupam-se calorias (toda a gente abusa, não me digam o contrário) e tempo, já que para satisfazer a compulsão alimentar provocada pela variada oferta num único preço, ninguém demora só 10 minutos a tomar pequeno almoço num hotel.

Na Europa, por exemplo, é extremamente fácil encontrarmos tarifas de pequeno almoço a irem além (e às vezes muito além) dos 10€. Fazendo as contas a um casal (isto para não analisar famílias mais numerosas) que pernoite 3 noites num hotel com pequeno almoço a 10€/pax/dia, ao final dessa curta estadia foram gastos 60€ em pequeno almoço. Em casa nunca gastaríamos nem perto disso. E porque não levar os hábitos de casa para fora de casa? Chegamos então ao cerne da questão do artigo de hoje, que visa dar aos leitores opções de pequenos almoços baratos, simples e práticos de serem feitos em qualquer quarto de hotel, com maior ou menor dimensão e maior ou menor comodidade.

Se sabe de antemão que vai seguir o velho espírito tuga do farnel, o melhor é começar a preparar-se a partir de casa logo quando está a fazer a mala. Eu costumo ter sempre comigo guardanapos, sacos plásticos transparentes pequenos e talheres de plástico descartáveis (que eu levo muitas utilizações a descartar, pois lavo e guardo sempre até se partirem).

O que beber:

Existem hotéis que têm a vantagem de terem no quarto (a custo zero) saquetas com café e chá, isto com um jarro elétrico de auxílio para ferver a água. Nesses casos ter uma bebida quentinha a qualquer hora não é problema. O meu truque é o seguinte: sempre que não consumo estes itens, guardo-os e levo-os para casa. Posso sempre consumi-los noutra viagem em que o alojamento não ofereça mimos destes. No caso do seu hotel não ter estes itens à partida (procures pesquisar nas fotos do hotel antes de partir), calcule a quantidade que poderá utilizar de cada tipo e leve de casa.
Copos por norma existem sempre, até no mais modesto dos alojamentos, mais que não seja daqueles descartáveis que deixam no WC para lavar os dentes.

  • Café em pó

  • Capuccino em pó

  • Descafeinado em pó




  • Bebidas quentes de máquinas. A maioria dos hotéis tem uma máquina que fornece bebidas deste género em troco de uns trocos. Se não passa sem o seu café expresso logo de manhã, provavelmente com esta solução não vai ter de abdicar dele.

    • Leite em pó levado de casa, por exemplo, num saquinho muito pequenino e que não vai roubar espaço praticamente nenhum na mala (uso Molico).


    • Leite normal levado de casa (caso tenha mala de porão) ou comprado num supermercado próximo já no destino

    • Chá (se não tiver como ferver a água quente da torneira do quarto em países com água potável ou peça para usar o microondas da sala de pequeno almoço)

    • Sumo em pó

    • Sumo embalado do supermercado

    • Sumo natural do supermercado

    • Iogurtes líquidos (caso o seu quarto tenha mini bar, pode comprar no supermercado mais próximo e consumir quando quiser)



    O que comer:

    • Cereais. E perguntam vocês: Como? Em primeiro lugar, levem de casa num saquinho ou num pequeno tupperware a quantidade que tencionam consumir. Levem também colher de plástico descartável e uma taca ou tupperware para servirem os cereais. Não vai ocupar espaço na mala de o colocarem sem tampa num saco e depois colocarem outras coisas que constam na bagagem lá dentro.

    • Pão fresco. Se tiverem a sorte de terem por perto um supermercado ou padaria, não deixem de aproveitar. Já me aconteceu em Lyon ter na porta ao lado do hotel uma padaria. Tão bom...
    • Pão de forma embalado




    • Embalagens pequenas de manteiga, nutella e de compotas. Em hotéis que têm pequeno almoço incluído eu costumo trazer estas embalagens (sem exageros) e guardo para as viagens que não têm pequeno almoço incluído. Costumo transportar este tipo de embalagens no saco dos líquidos, dado que na maioria das vezes viajo sem bagagem de porão e pelo seu tipo de composição estes alimentos devem ser transportados no saco dos liquídos quando transportados na bagagem de mão. 

    • Queijinhos tipo A Vaca que Ri. Também devem ser transportados nos sacos dos liquidos. 
    • Croissants ou outro tipo de pastelaria. Comprados numa padaria próxima ou supermercado, ou mesmo trazidos de casa.
    • Charcutaria. Caso tenha mini bar pode comprar queijo, fiambre, chourição ou outro tipo de charcutaria fatiada e mantê-la no frio.

    • Salsichas em frasco. Se é apreciado/a de pequenos almoços mais consistentes, pode sempre recorrer à compra de salsichas em conserva em frasco de vidro e consumi-las ao pequeno almoço.
    • Tortitas de milho ou arroz. Saudáveis, pouco calóricas e fáceis de transportar, estas tortitas são uma boa opção para o pequeno almoço. Existem também com cobertura de chocolate e iogurte.

    • Tostas

    • Barritas de cereais

    • Bolachas


    • Fruta fresca

    • Iogurtes sólidos. Não se esqueça da colher descartável!


    E assim se poupa em viagem, caros leitores! Até breve!